Banner Principal

Alimento Espiritual: Artigos e Formação

:: Canais / Espiritualidade

Deus é Trindade

- Imprimir artigo

Pelo sinal da santa cruz, livra-nos Deus, Nosso Senhor dos nossos inimigos.
 Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Somos cuidados, amados pela Trindade.
Somos escolhidos dentre um multidão de possibilidades de vida para viver o Amor em uma comunidade.
Desenvolver uma mentalidade comunitária é o melhor treinamento para morar no céu, na comunidade Trinitária de Deus - Amor.
A vocação é uma resposta de vida e de amor a Deus, dada em comunidade onde se vive um certo carisma. Pode ser comunidade eclesial, familiar ou de fraternidade. Mas, sempre comunidade!
Isto é ser  Javezinho! É ser imagem de Deus, imagem do Amor!
Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.” Gen. 1,26.  Façamos o homem. Nós, quem? ...Nós Deus!
Nosso Deus é Comunidade! A Santíssima Trindade é uma comunidade. Três pessoas em um só Deus. Nosso Deus é Trindade, onde Deus Pai exerce sua inteligência criadora. Jesus Cristo é a palavra encarnada que expressa amorosamente a inteligência e os planos do Pai. O Espírito Santo é o sopro, o hálito divino,  que acompanha a palavra, o verbo. É o amor  entre o Pai e o Filho que explode em criação. Nós (os homens) somos a missão da Trindade. Tudo isto faz parte do grande chamado à Santidade, desde o nosso batismo. E até mesmo o batismo de Jesus Cristo é uma expressão da Santíssima Trindade. “Quando o povo ia sendo batizado, Jesus também o foi. E  estando ele a orar, o céu se abriu  e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma de uma pomba; e veio do Céu  uma voz: “Tu és o meu Filho bem amado; em ti ponho minha afeição” Lc.3,21- 22; O nosso Batismo inicia o treinamento para morar na Trindade. A Santíssima Trindade é uma comunidade.
 Uma comunidade pode ser representada cientificamente, na matemática, por um triângulo eqüilátero ou uma figura geométrica chamada trindade (composta de quatro lados e quatro ângulos contando com a base). A comunidade é constituída de  dimensão noética ou espiritual, de dimensão de autoridade, de dimensão operacional e de dimensão de  missão.

A dimensão noética ou espiritual dá o significado, o espírito de sua vivência, cria o sentido de vida da comunidade, confere seu caráter. Por exemplo: uma comunidade científica ou escolar se ordena segundo a Ciência, uma comunidade artística segundo a Arte, uma comunidade política segue a  ideologia que a fundamenta, uma comunidade atlética obedece à regulamentação dos Esportes, uma comunidade religiosa se organiza conforme Deus-Amor, conforme os princípios éticos e doutrinários da Religião que pratica, uma comunidade familiar se organiza dentro de uma filosofia de vida.
A dimensão de autoridade coordena a comunidade, lança os objetivos, dá a perspectiva a seguir, ensina, testemunha o espírito da comunidade com a vida, propõe metas, delega funções, fiscaliza,  corrige os erros, estimula  os elementos a agirem conforme a dimensão espiritual e a missão a que se propõe.
A dimensão operacional faz funcionar a comunidade, executa  a proposta, elabora a missão, age em sintonia com a coordenação da autoridade, acolhe e relaciona a comunidade com o meio externo, testemunha o espírito da comunidade.
A dimensão de missão recebe e se beneficia  da comunidade, obedece à autoridade, aprende a colaborar, é supervisionado, é o feed-back para a comunidade, evidencia seu sucesso.
Deus Pai é a Inteligência criadora, portanto a dimensão noética espiritual da Trindade: criou os planos, projetos espirituais do Pai. “Naquela mesma hora Jesus exultou de alegria no Espírito Santo, e disse: Pai, Senhor do céu e da terra, eu te dou graças porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelastes aos pequeninos. Sim, Pai, bendigo-te porque assim foi do  teu agrado. Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, senão o Pai, nem quem é o Pai, senão o Filho, e  aquele a quem o Filho o quiser revelar.” (Lucas 10,21-22).
 Jesus Cristo é  a autoridade, é o Senhor:  “Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu , na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor.”(Filipenses 2,9-11).
O Espírito Santo é  quem operaciona os planos do Pai, é a dimensão operacional.:  “Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum.” (I Coríntios 12,6-7).
Nós, seres humanos, somos a missão:  somos o chão dessa comunidade, dessa Trindade. O céu é morar dentro de Deus Trino, com Eles, Neles. Nossa Senhora é nossa esperança, o ser humano que experimentou primeiro o que nos espera como Igreja. “Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim.  Na casa de meu Pai há muitas moradas. Não fora assim, e Eu vos teria dito;  pois vou preparar-vos um lugar.” (João 14, 1-2).
Na base da busca e construção da comunidade humana está a experiência da fraternidade , do “Nós” que é a manifestação visível do amor. Para se chegar à dimensão da autotranscendência, que é própria do ser humano enquanto pessoa, não só é necessária a relação interpessoal como a intrapessoal.
A relação do ser humano com Deus, enquanto pessoa não  é somente uma Relação interpessoal  transcendente (eu-Tu) como ainda intrapessoal imanente: (eu) - (eu mesma -Tu).
O nosso Deus é também o “Filho do Homem” e nos compreende profundamente. A vida religiosa é assumir ser Igreja, edificada pelo Espírito Santo, que nos prepara para ser a noiva de Jesus. Um só dos  religiosos é insuficiente para corresponder ao amor de tão ilustre noivo, todavia faz-se necessário um amor comunitário e a descoberta da fraternidade para  honrar o Nome de Jesus como noiva digna: o Reino dos Céus, a Igreja, a Eclésia, o corpo Místico, pela unção do Espírito Santo.
 Santa Teresa também mostra como viver a vida Fraterna através do Amor Espiritual: ... “Este pacto quisera eu que fizéssemos, os cinco que atualmente nos amamos em Cristo. (...), procuremos  nós reunir-nos alguma vez a fim de nos desenganarmos mutuamente. Juntos veremos  os defeitos a corrigir e o modo de contentar mais a Deus." (Livro da Vida 16, 7).
Os capítulos 6 e 7 do livro "Caminho de Perfeição” nos falam do Amor Espiritual, que tem como eixo a comunicação profunda.
Há um amor especial entre os membros de uma comunidade gerado pelo carisma, dimensão noética da comunidade. Há três tipos de religiosos quanto a sua função na Igreja:
  • os contemplativos que são orantes, reparadores diante de Deus e intercessores por todos nós;
  • os missionários são os profetas que pregam e levam o Evangelho na vida vivida como testemunha de Cristo nos questionando com suas vidas;
  • os educadores que pastoreiam certas porções do povo de Deus que estão mais necessitadas.
“Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E Eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós.”  Jo14,16-17.
Este amor místico, forte, fundamentado no Sangue de Cristo na Cruz é forjado entre o autêntico consagrado e os coordenadores da comunidade, é recíproco. Quando acontece um amor assim, sob a forma de um encantamento, mais forte que o  amor humano e disposto a suportar qualquer sofrimento, voto de obediência, vê-se que é o carisma está se manifestando, é Deus revelando a unidade de Amor que existe na Trindade. É mister existir tal relacionamento entre as pessoas de uma comunidade. “É no Meu Sangue que se realiza a família espiritual. É uma Aliança no Meu Sangue, é uma Família em Mim.”  Se a família humana já é bonita, tanto mais  o será uma família alicerçada  no sangue de Cristo! ...  A comunidade é sempre uma figura geométrica de trindade equilátera, se vive em harmonia  pelo Espírito Santo. É um Amor equilátero: ama-se a todos na mesma medida.
Os consagrados existem  para manifestar a glória de Deus, e vivem em comunidade no nome de  Jesus Cristo. Só no poder do nome de Jesus Cristo várias pessoas podem morar juntas e se tornarem um só no amor.
Jamais uma comunidade alcançará unidade em outro nome, por isso, comungamos diariamente. “E uma vez que há um único pão, nós, embora sendo muitos, formamos um só corpo, porque todos nós comungamos do mesmo pão” Jo (1Cor.10,17)
 É a honra  do nome de Jesus Cristo que está em jogo, a fraternidade é uma maneira de glorificar o Deus Trino e Uno, sendo comunidade. Só com o perdão sincero, honesto, ungido, mantêm a unidade em Jesus,como na Trindade.  “Disse-lhes outra vez: A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também Eu  vos envio a vós.”Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: “Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes , ser-lhes-ão retidos”. Jo.20,21-22;
Não é ser massa,  não se pode massificar, nem oprimir uns aos outros.  Na comunidade cada um é Javezinho, único e irrepetível, a ser respeitado e ao mesmo tempo, todos, no mesmo empenho de sair de si, para ser com o irmão, um em Cristo.
A comunidade necessita da presença de personalidades destacadas e de, em contraposição, cada personalidade precisa da comunidade em cujo seio - e somente dentro dela - poderá se realizar e,  ser inteiramente pessoa. Só a vivência comunitária possibilita o desenvolvimento do ser pessoa. É urgente e necessário re-estabelecer a mentalidade comunitária pela Santíssima Trindade, neste século de maturidade da Igreja de Jesus Cristo.
“Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste. Dei-lhes a glória que me deste, para que sejam um, como nós somos um: eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim.” (João 17, 21-23).
A multidão massificada não forma pessoas, não as respeita. Nenhuma personalidade humana terá condições para fazer-se valer e desenvolver-se. A massa, de preferência, prescinde da personalidade, que constitui um embaraço. Por esta razão, combate as personalidades, reprime-as, priva-as da liberdade, castrando essa liberdade em nome da igualdade. As individualidades são aplanadas e as personalidades sacrificadas pela tendência ao nivelamento. Na massificação, o destino da liberdade pessoal é colocado à mercê do intuito de se lograr a concretitude de uma igualdade despersonalizada ao máximo. A fraternidade  assim se degenera, degradando-se a mero instinto de agrupamento no mesmo teto, imperando o individualismo do chefe.
No nosso mundo capitalista não existe comunidade, pelo próprio sistema individualista . Só  existe a mentalidade de massa, pelotão, turma, povo, multidão  em que todo mundo é anônimo. Na massa, se você faltou ou não, não tem importância, você  é só um número a mais conforme a  mensagem do capitalismo. Nós cristãos temos que dar uma resposta evangélica ao mundo com atitudes de amor, ungidas pelo Espírito Santo para que as pessoas creiam no Deus Trino! “Mas o Paráclito, o Espírito Santo , que o Pai enviará em meu nome, ensinar-vos-á todas as coisas e vos recordará tudo o que vos tenho dito.” Jo14,26;

COMUNIDADE   -----------------   {DIGNIDADE - SER PESSOA RESPONSÁVEL}

MASSA              ----------------   {UTILIDADE - SER DESPERSONALIZADO}

Na missa o padre parte o corpo de Cristo, parte a Hóstia, depois une a  Hóstia numa intenção de unificação do corpo de Cristo. Assim, na morte de Cristo, Ele dá a graça da unidade, por isso a Eucaristia é o centro da comunidade, para poder unificá-la e fortalece-la. A força da comunidade vem da Eucaristia, quanto mais se aproxima da Eucaristia mais forte é a comunidade no Amor.
Na comunidade estamos constituídos como um corpo, onde cada pessoa é única, irrepetível e eleita por Deus para estar aí. “Mas Deus dispôs no corpo cada um dos membros como lhe aprouve.” (I Cor, 12, 18 ).
 O homem de hoje, identificado com os sintomas neuróticos da humanidade atual, chega ao extremo de render-se ao pensamento coletivista, abomina a responsabilidade. Mais uma vez foi com a guerra,  que o homem aprendeu, ou teve que aprender para sobreviver,  a deixar-se conduzir e invariavelmente era considerado importante não salientar-se de jeito nenhum, antes apagar-se a qualquer preço, diluir-se na massa.
Hoje devido a violência sem guerra, todos querem, de um modo geral,  confundir-se com a  massa. Ainda mais que se confundir com a massa; afunda-se nela. O homem se dissolve como ser personalizado, fica como sombra, inexistente, bem ao contrário de ser filho de Deus, Javézinho.
Por isso se percebe que não existe culpa coletiva ou pecado social. É muito cômodo emitir juízos globais, justificar e fugir à responsabilidade pessoal. Cada um de nós, imagem e semelhança de Deus, é pessoalmente responsável pela omissão de fazer comunidade diante de Deus Uno e Trino, Santíssima Trindade. O próprio Jesus Cristo disse: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi.”Mt.28,19-20.
 Todas essas citações em negrito revelam a Santíssima Trindade que nos envia para orar e cuidar das vocações: “Depois disso, designou o Senhor ainda setenta e dois outros discípulos e mandou-os, dois a dois, adiante de si, por todas as cidades e lugares para onde ele tinha de ir. Disse-lhes: Grande é a messe, mas poucos são os operários. Rogai ao Senhor da messe que mande operários para a sua messe. Ide; eis que vos envio como cordeiros entre lobos.” Lc.10,1-3;
Nós, Comunidade Missionária Santíssima Trindade, obedientes à autoridade, 2 à 2, queremos orar diante do Santíssimo, navegar pela Internet, viajar e pregar retiros para formar operários para a messe, com mentalidade comunitária, transformar lobos em cordeiros, prestando serviços dentro do coração das pessoas, serviços internos nas diferentes comunidades da Igreja, acolhendo todos os Carismas.
 Assumir isto na comunhão com a Santíssima Trindade, faz jorrar graça e amor suficiente para existir, para sarar muitas doenças psicológicas, e nos dá condições de buscarmos um sentido para as nossas vidas e ainda sobra amor para amar os outros gratuitamente. 

Juracy Villares

Comunidade Missionária Santíssima Trindade

Copright 2002 - 2006. Comunidade Missionária Santíssima Trindade - Todos os direitos reservados