Banner Principal

Alimento Espiritual: Artigos e Formação

:: Canais / Religiosos e Consagrados

Ser Nada ! Para ser só para Deus! E em Deus ser para todos!

- Imprimir artigo

Do livro: “Vocação: uma vida encantada com Deus!” de Juracy Villares.

M

U

N

D

O


Várias pessoas da Renovação Carismática Católica experimentaram a presença de Deus, tem buscado um crescimento maior de espiritualidade e vêem os santos no final desta escalada de santidade, mas não sabem qual alimento sólido espiritual é necessário para chegar nestes níveis que os santos atingiram.

 

A Palavra de Deus nos alerta: “Pelo que transpondo os ensinamentos elementares da doutrina de Cristo, procuremos alcançar a plenitude. Não queremos agora insistir nas noções fundamentais da conversão, da renuncia ao pecado, da fé em Deus, a doutrina dos vários batismos, da imposição das mãos, da ressurreição dos mortos e do julgamento eterno. Isto, faremos, se Deus o permitir. Porque aqueles que foram uma vez iluminados, saborearam o dom celestial, participaram dos dons do Espírito, Santo, experimentaram a doçura da Palavra de Deus e as maravilhas do mundo vindouro, e, apesar disso, caíram na apostasia, é impossível que se renovem outra vez para a penitencia, visto que, da sua parte, crucificaram de novo o Filho de Deus e publicamente o escarneceram. ”( Hebreus 6,1-6). Esta palavra é forte e nos esclarece do perigo da apostasia e hoje se torna necessário viver isto: ... “transpondo os ensinamentos elementares da doutrina de Cristo, procuremos alcançar a plenitude”.

Ao comparar o crescimento espiritual com a escola acadêmica tradicional, parece que a RCC com seus diversos ensinos sobre o 1º anuncio, o querigma, o amor de Deus Pai, a salvação e o Senhorio de Jesus, os frutos do Espírito Santo, os dons espirituais e carismáticos, a intercessão de Nossa Senhora, o amor, a comunidade, a dimensão missionária da Igreja, a unidade, constituem uma ótima escola do 1º grau.

Os livros dos santos narram uma vida mística bonita com Deus, uma vida de santidade, eles parecem mergulhados em Deus. A santidade parece contagiosa, pois sempre se tornaram santos em turma, cada um tem um relacionamento pessoal com Deus. Os santos tinham uma sã doutrina de Igreja, um testemunho forte, um amor ao próximo tão fácil, e a vivência de um carisma espiritual, uma escola de espiritualidade adequada à sua época, uma solução pastoral dos problemas da época. Alguns até chegaram ao martírio por Deus, com um amor apaixonado por Deus e pelos irmãos. Esta etapa corresponderia à faculdade, aos estudos universitários, escola de 3º grau ou à pós graduação.

Quais seriam os ensinos fortes da etapa intermediaria correspondente ao colegial, ou ao 2ºgrau? A palavra de Deus nos impele a procurar algo mais que o 1ºgrau: “A Julgar pelo tempo, já devíeis ser mestres! Contudo, ainda necessitais que vos ensinem os primeiros rudimentos da Palavra de Deus e vos tornastes tais que precisais de leite em vez de alimento sólido! Ora, quem se alimenta de leite não é capaz de compreender uma doutrina profunda, porque é ainda criança. Mas, o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que a experiência já exercitou na distinção do bem e do mal.” (Hebreus 5,12-14). Será que nós vamos ficar neste primário o resto da vida na RCC? Já enjoei deste 1º grau! Não tenho quem me ensine passar de uma etapa à outra e vejo a necessidade de uma orientação firme, clara e segura.

Ao tentar sozinha esta etapa intermediaria “de Colegial” defrontei-me com uma luta entre Deus e o meu EU, este ultimo resistindo a tornar-se submisso e rendido à vontade de Deus. Vi a necessidade de amar a mim mesma, restaurar-me, curar as feridas do meu Eu para coloca-lo na cruz. Encontrei ensinos muito sábios nos livros de Santa Teresa e São João da Cruz nesta etapa de noite escura de purificação.

Nesta fase de purificação, de cruz, o Espírito Santo permite rejeições e perseguições saudáveis por causa do Evangelho, o desapegar-se de pessoas, cargos, grupos, títulos, fama (desapego social). É muito importante uma ascese mais profunda que coloque todo o nosso ser para orar, atingindo o físico (a dimensão biológica). Parece que as 3 dimensões do ser psicológico são sacudidas desde o alicerce: a racional reage a vários momentos de titubeios com uma doutrina firme, a afetividade vive toda sorte de bombardeios amorosos de Deus com perdas, a vontade é treinada a ser perseverante na dor, no sofrimento, na aridez. Então, com estas experiências, gradativamente vamos crucificando nosso orgulho, nossos argumentos diante de Deus, as nossas paixões e pequenos amores, o nosso “querer ser” segundo os próprios critérios. E assim, pacificados pelo Espírito Santo que nos levou neste deserto, entrarmos no juízo de Deus e fazer a Sua Santa Vontade. Só um pessoa curada, feliz, amando Deus encontra a porta do SER NADA.

Na minha adolescência aos 15 anos, após um período de sofrimento forte e decepções com muitas pessoas, descobri o contato com o Absoluto, a presença de Deus na Eucaristia, na Hóstia Santa e disse bem alto: “Deus é Deus! O resto é bosta!” As religiosas ficaram chocadas com minhas palavras um pouco mais enfáticas que as de São Paulo. Hoje, eu digo que o nosso humilde Deus deu Sua Preciosa Vida para este podre e pobre resto que são as pessoas e então eu preciso amar e fazer o mesmo. Eu fui mudando. Mas, ainda considero necessário ressaltar a supremacia de Deus num mundo que torna relativo até o Sagrado e o Absoluto.

Mas este Absoluto manifestou-se em uma manjedoura, em um estábulo ou presépio e num pedaço de Pão e um pouco de vinho. Ele é! E quem é... já é, e basta! Não precisa de aparência, não tem aparência. Deus é muito simples e Ele é o Caminho desta etapa do “Colegial”.

No inicio da nossa conversão ficamos encantados com Deus Vivo Presente (até fomos orientados para a humildade, a mansidão, mas só ouvimos) e fomos seguindo nossos critérios de educação, de busca sadia de eficiência, de cultura, de levar vantagem em tudo, de amar muito as pessoas, de auto suficiência e, subindo nas honras do mundo, numa busca de ser e ser cada vez mais autentica, cada vez melhor, e ser ótima até para Deus (e consegue?...) com a melhor das boas intenções. “Mas tudo isto que para mim eram vantagens, considerei perda por Cristo. Na verdade, julgo perda todas as coisas, em comparação com esse Bem Supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por Ele, tudo desprezei e tenho em conta de ESTERCO, a fim de ganhar Cristo.” ( Filipenses 3, 7-8).

Na Terra Santa, vi que Jesus caiu ao Chão três vezes na via crucis: na 3ª estação, na 7ª estação e na 9ª estação. No Jardim de Getsêmani, Jesus Cristo foi ao Chão orar por três vezes: “Adiantou-se um pouco e, prostrando-se com a face por terra, assim rezou: “Meu pai, se é possível, afasta de mim este cálice! Todavia não se faça o que eu quero, mas, sim, o que tu queres”” (Mateus26,39) Depois...”Afastou-se pela segunda vez e orou dizendo: “Meu Pai, se não é possível que êste cálice passe sem que eu o beba, faça-se a tua vontade!” (Mateus26,42). E “Deixou-os e foi orar pela terceira vez dizendo as mesmas palavras.”(Mateus 26,44).

Não adianta espernear! As situações vão acontecendo, as humilhações de autoridades, as rejeições de amigos, surgem ocasiões, em que somos evitadas, marginalizadas. Procuramos pessoas e mais pessoas para nos salvar do Chão, da humilhação injusta. Tudo nos leva ao Chão. Tentamos no inicio desta fase descobrir onde erramos e até exageramos em confissões sobre confissões. E é desconcertante a conclusão: Não errei, e nem assim!... Tudo nos leva ao Chão. Somos traídos, caluniados, esquecidos por amigos. Quanto mais tentamos contornar situações, agradar pessoas, mais somos fracassados e mal interpretados. Tudo nos leva ao Chão. Sempre que queremos nos levantar, somos novamente jogados para o Chão.

“Eu sou o Chão! Vem a Mim!” É no Chão da nossa vida que encontramos verdadeiramente Deus na conversão do nosso coração, (2ª conversão) e Deus se torna para nós a realidade desta identidade Dele manifestada neste texto com estes muitos nomes: “ Eis o que diz o Senhor, o rei de Israel, Seu Redentor,o Senhor dos exércitos: Eu sou o primeiro e o ultimo, não há outro Deus afora Eu. Quem é igual a Mim? Que venha sustentar suas pretensões! Que prove e pleiteie contra Mim! Quem anunciou o Futuro, desde a origem? Que nos predigam o que deve ainda acontecer! Não tenhais medo, então, e não tremais! Não vos tenho esclarecido desde há muito tempo? Vós sois minhas testemunhas: existe outro Deus a não ser Eu? Haverá outro Rochedo além de Mim?” (Isaias 44,6-8). Deus é o Senhor! É o meu Senhor!?... O rei de Israel, o nosso rei, o meu Rei!?... Meu Redentor. O Senhor dos exércitos de guerra do meu coração. Deus pode dizer: Eu sou o primeiro e o ultimo na nossa vida!?... Deus é o meu Futuro. Deus é o nosso Rochedo, o Chão da nossa vida!?... Minha base, meu Sustentáculo !

Sabe, neste estagio começamos a amar o Chão da nossa vida e toda a situação que nos fez viver o Nada. As religiosas se prostram e beijam o Chão em alguns Carmelos e Mosteiros. Não importa por qual pessoa vem a ocasião de viver o Chão, o NADA, é o Espírito Santo quem nos conduz ao deserto. Muitas vezes, paradoxalmente, a própria liderança da Igreja faz o favor de nos levar ao Chão, cada vez que queremos nos erguer. Vejo nisto a mão de Deus nos lapidando. “Filho meu, não desprezes a correção do Senhor. Não desanimes, quando repreendido por Ele; pois o Senhor corrige a quem ama e castiga todo aquele que reconhece por seu filho. Estais sendo provados para a vossa correção: é Deus que vos trata como filhos.” (Hebreus 12,5-7) . Os bispos muitos ungidos por Deus, nos ensinam que somos Nada.

O Papa beija o Chão de cada terra e assim beija o povo daquela terra. Senti o amor do Papa por mim, quando o vi na televisão beijando o Chão e eu me sentia no Chão, excluída, naquele dia. Eu me senti beijada e amada por Ele. Amei o delicioso sofrimento que estava vivendo. Serei o Chão da Trindade Santíssima. Agora Deus quer nos levar a aceitar o Chão, aceitar estar no chão, sem fama, sem nada; por Jesus. Amar o Chão da nossa vida e toda a situação que nos faz viver o NADA .

Mas, é necessário mais um passo, cada um falar para si mesmo: sou nada! Ser considerado Maldito sem ter feito Maldição alguma. Ser injustiçado sem ter feito injustiça alguma. Isto é carregar a cruz. É necessário querer ser nada diante de todos e diante de nós mesmos! É importante para Jesus Cristo que cada um que o ama carregue a cruz, como Ele. “Se alguém quer vir após Mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-Me”(Lucas 9,23). Por amor a Jesus, é preciso não se defender e fazer-me pequeno diante de todos e até diante de si mesmo! Só Ele importa!

Vivi isto e no Chão da vida um dia, cantei alegre e feliz, sem pressa de levantar! “Nada me importa, Senhor!... Se eu tenho o Teu Amor!...” Vi a Porta. Uma porta no chão? ...

EU SOU A PORTA DO NADA! “Jesus tornou a dizer-lhes : Em verdade, em verdade, vos digo: Eu sou a porta das ovelhas”. (João 10,7).

Deus quer um nível mais forte de espiritualidade para nos proteger das aparências deste mundo moderno, do consumismo, da secularização, da indiferença com o sagrado. É o Colegial!

No chão fiquei curiosa para passar na Porta (estamos no ano jubilar da Porta Santa). Era muito estreita e tinha uma hóstia nela.

“Olha para a hóstia santa, é na fragilidade da aparência (o NADA) que Eu revelo a plenitude da Vida (o TUDO)”.

E quando você for pura, branquinha, simples, pequena e sem aparência como esta Hóstia Santa, você pode entrar em qualquer boca quente no meu Corpo Místico e Me servir verdadeiramente.”

Abaixo do nível do chão da humanidade, entrando pela porta estreita, mergulhamos em Deus, no mar das águas vivas de Deus. Esta porta deve ser o vestibular da faculdade de ser NADA dos santos. “Eu sou a Porta. Se alguém entrar por Mim será salvo; tanto entrará como sairá e encontrará pastagem.” (João 10, 9).No mundo real das verdadeiras vidas do santos, onde nosso Eu está crucificado por amor à Cristo. Aí compreendo o gosto das carmelitas, das monjas, em se esconder do mundo para ser consagradas à Deus. Em Deus podemos amar à vontade, todos! Precisamos mergulhar nas profundezas do Espírito de Deus!...e aí viver a plenitude de Paz!

Juracy Villares

Comunidade Missionária Santíssima Trindade

Copright 2002 - 2006. Comunidade Missionária Santíssima Trindade - Todos os direitos reservados